Post Pipoca

Post Pipoca – Viva a vida é uma festa

22 de Janeiro de 2018

Olá Bruxandade! O Post Pipoca de de hoje é sobre a nova animação Disney – Pixar – Coco, com titulo em português de; Viva a vida é uma festa.

A animação é inspirada no México e conta a historia de Miguel e sua família de sapateiros. A Tataravó de Miguel sofreu uma grande desilusão amorosa, quando o marido a deixou com uma filha pequena para criar e foi embora ser musico, a mulher batalhou e criou sozinha a filha fazendo sapatos e baniu a musica de sua vida e de sua família.

A família cresceu, prosperou fazendo sapatos e se tornou o objetivo de vida de todos, até Miguel nascer. A família de Miguel sempre deixou claro a aversão a musica, e sua avó tendo lhe contado inúmeras vezes a historia de como a musica quase desgraçou a família toda é nessa hora que no filme explica a tradição Mexicana de se lembrar do mortos, como fazem o altar com a foto de cada membro que morreu e no Dia dos Mortos se lembram deles, para que seus espíritos venham lhes visitar. Achei bonito isso, essa preocupação de manter aqueles que morreram serem lembrados.

A avó de Miguel o encontra quase tocando um violão (emprestado) na praça e conclui que chegou a hora de dar um ponto final nessas ideias de musica de Miguel (cena muito engraça esse)

Mas Miguel tem um sonho, que vai muito alem de qualquer regra que a família dele impôs. Inspirado por seu grande ídolo Ernesto de la Cruz, Miguel decide seguir seus passo e tocar no concurso na Praça do Dia de todos os Mortos e ficar famoso como seu ídolo foi em vida.

Mas sua avó descobre seus planos e destrói seu violão, o impossibilitando de participar do concurso por não ter um instrumento. Quando achamos que está tudo perdido para os sonhos do jovemzito, meio sem querer, Miguel descobre um segredo de família, seu Tataravô era um musico e ele sabe onde está seu antigo violão.

Miguel rouba o violão, que estava na tumba do falecido.

Mas é mandado pro mundo dos mortos por profanar contras as crenças e o Mundo dos mortos.

Ele atravessa a ponte e encontra toda sua família, que estava tentando resolver o porque da Tataravó não conseguir atravessar a ponte, o motivo? Miguel trouxe a foto dela com ele.

Eu gostei muito desse ideia de (céu?) mundo dos mortos, a animação deixou tudo parecendo encantado e festivo.

Uma forma irreverente de mostrar como o mundo dos mortos funciona no filme é o Scanner na catraca, que identifica se o morto tem uma foto no altar e foi lembrado.

Caso não tenha, ele é negado de atravessar a ponte e não pode ir no mundo dos vivos para festividade. E nesse momentos conhecemos Hector, um morto que não foi lembrado por ninguém e não tem foto no altar.

Miguel precisa da benção de algum dos parentes no mundo dos mortos para voltar ao mundo dos vivos, sua Tataravó a concede com algumas condições: que Miguel devolva sua foto ao altar para que ela possa atravessar a ponte e nunca mais tocar musica, claro que ele não concorda com a ultima parte.

Ele foge, decidido encontrar seu parente que era musico e pedir a benção a ele, antes do amanhecer ou então ficará preso para sempre no mundo do Mortos.

Nessa fuga Miguel faz um acordo com Hector, se ele o ajudar a encontrar seu parente musico para lhe dar a benção e conseguir voltar para o mundo dos vivos, ele coloca a foto de Hector num altar para ele ser lembrado e poder atravessar a ponte como todos os outros espíritos.

 

O desenrolar da historia eu deixo por sua conta, vá ao cinema e se encante com esse mundo onde o dia dos Mortos é uma grande festa!

A animação tem belíssimas musicas, que compõe a historia e nos leva para um final extremamente emotivo, havia muitos rostos molhados quando o cinema acendeu a luz. Eu particularmente gostei tanto dos personagens que gostaria que tivesse uma continuação, mas isso poderia ofuscar o encanto da obra que nos deixa apenas imaginando que o acontece depois do fim.

Filme para assistir com toda a família, não causa medo e sim algumas boas risadas.

 

Até o próximo Post Pipoca, bjs de luz!

 

 

Deixe uma resposta